Arquivo da categoria: inspiration

Roupa para o trabalho

Pra quem fica sem ideia na hora de ir trabalhar – e tem que ir arrumadinha tipo advogada ou bancária – e acaba indo com o terninho preto de todos os dias, taí algumas inspirações pra seguir.

6suitsImagem: blueisinfashionthisyear.com

Anúncios

Sarah Lancaster

Um dos seriados que acompanho hoje é Chuck. Um dia, numa pesquisa de fotos, achei algumas da Sarah Lancaster ou Ellie Bartowski, a irmã do Chuck, só que loira. Aí descobri que ela já fez vários seriados, como What about Brian, Dr. Vegas, Everwood e Scrubs. E era loira! Fiquei boba com o tanto que ela fica mais bonita morena.

Cisne Negro

Atenção: pode conter spoilers!

Cisne Negro (Black Swan), com Natalie Portman, Vincent Cassel, Mila Kunis*.

Ia colocar esse filme no meio da lista das “Próximas Estreias”, mas me perdi no meio da pesquisa, lendo tudo que aparecia e vendo todos os trailers e clips do filme. Acabei descobrindo um monte de coisa mais interessante do que uma simples sinopse, então abri pra um post completo.

Pra começo de conversa, o diretor é Darren Aronofsky. Ele por acaso escreveu e dirigiu Pi. E por acaso também escreveu o roteiro e dirigiu Réquiem para um Sonho. Por aí já dá pra ter uma ideia do que se tem pela frente.

A história básica do filme é que Nina (Natalie Portman) é uma bailarina em uma companhia de dança de Nova York. Sua vida é consumida pela dança e pelos treinos e como se não bastasse, e ela mora com sua obsessiva mãe – que foi uma bailarina. Nina consegue o papel principal no Lago dos Cisnes, mas Lily (Mila Kunis), também impressiona o diretor. O Lago dos Cisnes precisa de uma pessoa que possa interpretar tanto a inocência e graça do Cisne Branco quanto a malícia e sensualidade do Cisne Negro. Nina encaixa perfeitamente no papel de Cisne Branco, enquanto Lily é a personificação do Cisne Negro. Para não perder o papel, Nina entra cada vez mais em contato com seu lado negro, o que aos pouco a transforma na vida real.

O balé Lago dos Cisnes foi composto por Tchaikovsky entre 1875 e 1876. Existem variações da história que é contada em 4 atos, eis uma delas: o príncipe Siegfried é obrigado a escolher uma esposa em sua festa de aniversário. Chateado porque não vai se casar por amor, ele foge pra floresta, onde encontra um lago com cisnes brancos. Decide caçá-los, mas quando vai atirar o arco, percebe que  um dos cisnes está se transformando numa mulher, Odette. Ele descobre que ela foi amaldiçoada por um mago de um reino vizinho e que passa os dias transformada em cisne, mas volta a ser humana à noite. Ele se apaixona por ela e volta à festa pra anunciá-la então como noiva e assim quebrar o encanto. O mago, que perderia os poderes caso isso acontecesse, entra na festa junto com sua filha, Odile, transformada através de magia em Odette, mas vestida de preto. O príncipe anuncia seu amor e o noivado, e, tarde demais, percebe seu erro. Ele volta ao lago e, como o encanto não foi quebrado e eles não podem ficar juntos, se afogam no lago.

No filme, acho que a história é um pouco diferente.

Enquanto o figurino do filme é assinado por Amy Westcott, o figurino do balé foi criado pelas irmãs Kate e Laura Mulleavy, da Rodarte. Amy usou elementos do balé nas peças de todo o filme, de forma que tudo estivesse interligado enquanto as irmãs Mulleavy deram uma atualizada no visual da dança.

“O trabalho que tivemos foi reconceitualizar e criar o figurino para o Lago dos Cisnes, que é um balé clássico, mas fazer de uma forma que iria encaixar no mundo do filme.” – Kate Mulleavy

“É meio que a mantendo em um estado infantil. Suas cores básicas foram branco, cinza e rosa. Pegamos pesado no rosa e fomos diminuindo no final. Tem um momento onde ela veste meia-calça preta em vez da rosa, e isso é aquela ruptura quando ela meio que está do outro lado da cerca.” – Amy Westcott

“A última linha [da Rodarte], outono de 2010, acho, foi bastante ‘inspirada em abutres’. Eles tinham esse monte de penas negras e coisas como essa… essa foi a linha delas, mas pra nós elas criaram novas coisas, nós colaboramos o tempo todo de um modo mais tradicional de montar os tutus, mas a linha delas foi tão interessante, já foi meio que inspirada em pássaros! Darren [o diretor] e eu trabalhamos com elas, então elas revigoraram os figurinos, o que foi ótimo. Os corpetes foram criados por um formidável designer de balé chamado Jack Brown e então a Rodarte acrescentou peças à eles para fazê-los funcionar com os cisnes negros e brancos. Mas para os principais, elas refizeram completamente os figurinos a partir do zero por conta própria. Foram trajes de balé completamente funcionais.” – Amy Westcott

“Trabalhei junto com Yumiko [uma bailarina e designer de roupas de balé] porque tínhamos muitas peças de uso diário, para as personagens de Natalie e Mila. Tínhamos uma paleta de quatro cores bem estrita: a maioria de preto, cinza, branco e rosa. (…) Passamos por seu catálogo e os collants faziam parte da linha mas nós trocamos as cores e os tecidos. (…) E foi também importante pra mim, manter o realismo. Você não quer reinventar completamente a roda.” – Amy Westcott

“Foi quase cliché no sentido de escolher rosa para Nina e cinza para Lily. Então trabalhamos cuidadosamente em um pouco de cinza em Nina e lentamente incluímos um pouco de rosa em Lily, e no final do filme, Nina usava um pouco de preto e era mais preto e cinza – ela quase perde o rosa – e Lily estava com um pouco de branco com cinza, ela não clareia. Lentamente, enquanto o caráter de Nina se desvenda, suas cores se tornam escuras.” – Amy Westcott

Agora é esperar dia 4 de fevereiro, a data de estreia do filme no Brasil (segundo o IMDb).

(*) Mila Kunis era a Jackie do “That 70’s Show” e é a matéria de capa da Nylon de dezembro.

Fontes: Imdb, The Ballet Bag, The Style Rookie

Cinema, moda, fantasia, sonho, inspiração…

“Mas cinema e TV oferecem sonho e fantasia em forma de moda – ou pelo menos deveria ser assim. E quem tá no cinema ou na TV devia ser obrigada a entregar pra gente o inalcançável, o extraordinário, o que só quem é desse mundo de sonho pode usar.”

Tá lá no Oficina de Estilo, clica pra ler completo!

Somewhere

Saiu o trailer do novo filme de Sofia Coppola, Somewhere, com várias cenas e nenhuma fala:

O poster também foi divulgado:

Segundo o IMDb, fazem parte do elenco:

A data de estreia no Brasil ainda não foi definida.

Ainda sobre a Sofia, ela dirigiu há um tempo atrás esse comercial do perfume Miss Dior Chérie.

É impressionante o toque extremamente feminino que ela adiciona aos seus trabalhos!

Cinema e Moda por aí

Alguns textos interessantes sobre Cinema, Moda e sua interseção.

Ensinamentos de outrora com Arianne Phillips, Oficina de Estilo

“Se o objetivo é aparecer, brilhar no palco, ela faz o palco incendiar – tipo Madonna, né? Se o objetivo é criar um personagem discreto, que não pode ser muito “cheguei” na tela, ela consegue fazer também, e sem deixar pra trás os mínimos detalhes.”

A roupa comunicando em “Eden à l’Ouest”, JURA? tá na moda!

“O interessante é que a narrativa do filme vai sendo construída e pontuada pelo vestuário masculino do protagonista. Desde o início o seu modo de presença naquela sociedade é marcado pela linguagem não verbal, com ênfase nas roupas que usa.”


The O.C.

Esse povo que fica em casa revendo seriados velhos (eeeeeee!) acaba por ficar reparando em coisas que nem tem a ver com a história. Aproveitando pra fazer análises, achei duas observações interessantes.

*Quem acompanhou The O.C. na época, provavelmente notou que houve uma evolução significativa no modo de vestir das personagens. Por exemplo, a Marissa (Mischa Barton), nessa comparação, mesmo repetindo a combinação camisa pólo+saia, dá pra notar que na segunda imagem o look é bem mais elaborado.

O mix de estampas da saia e da faixa no cabelo, mais a combinação de vários tons de verde em três das peças e o contraste com a pulseira criaram um visual bem bacana.

*Aproveitando a onda do estilo ‘rocker’, dá pra se inspirar nessa montagem feita pela Summer (pra ir no show do Rooney, no episódio 14 da primeira temporada, The Third Wheel).

O brinco no formato de coração e em tom vermelho mais a jaqueta rosada e a saia curtinha dão o toque feminino que contrabalança com o peso do cinto e da bota.